terça-feira, 24 de abril de 2018



A Latinha e a goteira 


Vou contar com alegria, 

C” uma latinha brincava, 

Na fantasia cantava 

Brincadeira de Maria, 



Maria um dia esqueceu, 

A latinha na calçada, 

Ficou lá quieta e sozinha, 

Parecia abandonada. 



A noite caiu chuvinha, 

Lágrimas de Deus, enfoque! 

Gota a gota na latinha, 

Num gostoso... Toc, toc! 



Queridos vovô e vovó, 

No aconchego do xodó, 

Dormiram c”a mão no pote 

Ao ouvir o toc toc! 



Sonhando naquele dia, 

Todos dormiram num toque, 

Nas lembranças de Maria. 

A verter em toc, toc. 



A latinha e a goteira, 

Mais a chuva da alegria, 

Cantaram a noite inteira, 

A ninar bela Maria. 



Antes que a música troque, 

Vou tirar o meu cochilo, 

Com o som do toc toc.




Elair Cabral


 

terça-feira, 3 de abril de 2018



Castelo de amor

O meu castelo ruiu
Porque ouvi a razão
Sonhos que se construiu
Estatelaram no chão


Então, vou construir outro
Para abrigar meu sonhar
Em chão firme feito potro
Em garboso cavalgar

A base será de amor
Verdadeiro baluarte
Fortaleza contra a dor
Sublime obra de arte

Todo o concreto escolhido
Será de puro carinho
Com pitadas de libido
E canto de passarinho

A cobertura será
Com telhas de bem querer
Tristeza vez não terá
Só reinará o prazer

As janelas sem cortinas
Para olhar os horizontes
Sentir o sol nas matinas
E a brisa sobre os montes

As portas escancaradas
Para o amor e a amizade
Todas as vidas amadas
Com fiel sinceridade

Pintura de poesia
Pois a cor me faz sonhar
Portadora de alegria
Do meu castelo do amar

Decoração de virtudes
E ali quero registrar
No livro das atitudes
Respeito a quem adentrar

Depois de tudo perfeito
Ainda terá um jardim
Com as flores do meu jeito
Certezas de amor sem fim

Pra completar meu castelo
Quero meu Rei, meu Senhor
E então, bato o martelo
E consagro nosso amor!

Elair Cabral
Imagem Google
Resultado de imagem para castelo de livros



segunda-feira, 2 de abril de 2018





Plantar as flores não implica em perfumá-las, assim como o poeta não precisa se preocupar em impregnar de poesia versos que exalam amor! 
Elair Cabral


Janjão e Raimundo 


É lindo o gato Janjão! 

Maravilha esse gatão! 

Percebe num só segundo 

O olhar do cão Raimundo 


Esconde-se embaixo da mesa 

Hoje não quer ser a presa 

Mas, deixa o rabo de fora 

O que será dele agora? 


Raimundo dá uma arrancada 

Numa expressão engraçada: 

- Te pego seu sabichão! 

Esqueceu fora o rabão 


Pisar leve, devagar 

Pega o rabo, que azar! 

Segura com força e torce 

Pobre Janjão... Que má sorte! 


Rebola que nem pião 

Nos dentes do malvadão 

Consegue fugir ligeiro 

Vai pra dentro do banheiro 


É assim o dia inteiro 

Divertido pega e larga 

Sabem que aqui são amados! 

Animais abençoados! 


Cansados da brincadeira 

Envolvem-se em carinhos 

Nesta vida passageira 

O bom é viver juntinhos 


Elair Cabral







sábado, 31 de março de 2018



Páscoa de Jesus

Então, lindos amiguinhos,
Páscoa é reverência à luz,
Às pessoas o carinho,
Muito respeito a Jesus!


Páscoa dos sonhos dourados,
Que melequeira gostosa!
Sorrisos bem lambuzados,
Vovó vem toda melosa.

Nesta Páscoa dos sorrisos,
Quero abraçar, receber,
Deixar do amor os vestígios,
Meu Jesus agradecer...

Imagem: Mensagens e gifs da Teka


sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018



Para vocês sonharem, queridas crianças!

Resultado de imagem para casinha na árvore de verdade

Casinha da árvore 



A árvore está feliz 

Pois ganhou uma casinha 

Grudada no seu nariz 

Coisa que sempre ela quis 

Desde que era sementinha 



Toda talhada em madeira 

Tem janela e tem cortina 

Com latinha na goteira 

A embalar bem faceira 

O cochilo da menina 



Um telhado no vermelho 

Igual morango do amor 

Mais parecendo um espelho 

Tobogã do seu coelho 

Que desliza sobre a flor 



A pintura só depende 

De quem na casinha entrar 

A criança é quem entende 

A’quarela que defende 

Na hora d’ela brincar 



O assoalho de veludo 

Verde na cor da esperança 

Macio gostoso e felpudo 

Pois na casa tem de tudo 

Dos sonhos de uma criança 



Vou dizer o que é preciso 

É que lá tem alegria 

Enfeitada de sorriso 

Configura um paraíso 

Encantadora eufonia! 



Convido você criança 

Para a casa visitar 

Pois lá tem muita lambança 

Brincadeira em abundância 

Gostoso de arrepiar!


Elair Cabral

Imagem Google


quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

Para meus amiguinhos o poema que escrevi para minha netinha Fernanda quando ela tinha 2 anos de idade. Hoje está com 5 anos, uma mocinha!


A menina e a boneca


Arrasta pelos cabelos

Que atropelo essa boneca

Faz peteca, põe capelo

Sem apelo, que sapeca!



Dá banho,dá mamadeira

Que zoeira, gargalhada

Amada linda e faceira

Inteira de luz coroada



A boneca faz dormir

Sentir carinho profundo

O mundo dela é seguir

Fluir amor num segundo



Acalenta tão contente

De repente morde a testa

Faz festa joga pra frente

Inteligente na cesta



Percorrer esse caminho

Juntinhos eu e você

Doce é o meu colinho

Meu carinho, meu bebê!



Chama: - vem cá ó filhinha

A pracinha observar

Vem sentar ó bonequinha

Quietinhas vamos olhar!



Elair Cabral



terça-feira, 2 de janeiro de 2018


Olhares...

Olhares em aquarelas, múltiplos tons da alegria,
compõem as cores mais belas nos castelos da magia!


Olhar que busca na fonte das águas da fantasia,
descobrir esse universo e o belo que a contagia!

Criança que corre sedenta em busca de proteção,
encontra o rio em deserto nas areias da emoção!

Pobre, ou rica, basta uma bola, a rolar sob seus pés,
ou uma boneca sem luxo, um brinquedinho qualquer,
que os olhares das crianças brilham como diamantes
e, com o tudo, ou o nada, levam a vida adiante!

Olhares, lindos olhares, todos só querem carinho,
para seguirem brilhando e enfeitando o caminho!

Elair Cabral